Comorbidades: Efeito Rebote

Dispender mais Energia do que se consegue Gerar

Dispender mais Energia do que se consegue Gerar

O Efeito Rebote se caracteriza pela volta ou ocorrência de uma ação inesperada e oposta ao estímulo que a originou. Não raro após um Hiperfoco ou um pico de adrenalina a energia física e psíquica do indivíduo cai para valores inferiores ao seu normal, desencadeando o quadro debilitante retratado neste ensaio, os sintomas depressivos, degenerativos e persistentes demoram de dias, semanas, a até meses para se dissiparem por completo e o afligido recuperar enfim a sua produtividade original. Ou seja, com tamanho prejuízo funcional em potencial se faz necessário saber identificar os indícios de uma crise para quando não evitá-la, no mínimo prontificar um controle de dano a se aplicar em momento oportuno.

Yay! Pesquei um tubarão. Ops... ele me engoliu!

Yay! Pesquei um tubarão. Ops… ele me engoliu!

O Efeito Rebote ataca após uma reunião decisiva, uma competição acirrada, uma prova de vestibular, um surto de criatividade, um Hiperfoco, entre outras situações de alto estímulo e excitação. Ao invés do indivíduo passar por um clássico processo de cooldown, onde recarrega em algumas horas ou dias a energia dispendida e parte pra outra, aqui ocorre um quadro depressivo e debilitante de difícil regeneração, pois se gerou e dispendeu energia em ritmos anormais e o sistema já não dispõe de recursos emergenciais para re-equilibrar sua produção e manutenção necessárias às atividades do dia-a-dia.

Sobre Filipe Russo

CEO da SagaPro, A Edtech do Bem-Estar Escolar, startup incubada na incubadora Cietec IPEN-USP. Autor dos livros premiados Caro Jovem Adulto e Asfixia, assim como vencedor do concurso “O Olhar em Tempos de Quarentena” e dos prêmios de Excelência Acadêmica nas disciplinas Inteligência Artificial na Educação e Temas em Psicologia: Contribuições para Computação Aplicada à Educação. Licenciado em Matemática pelo IME-USP, pós-graduando em Computação Aplicada à Educação pelo ICMC-USP. Realizou pesquisas em Análise Real, Bioinformática e Ensino de Matemática. Tem passagem pelo Instituto Max Planck de Fisiologia Molecular Vegetal em Golm e pela Universidade Técnica de Munique, ambos na Alemanha. Indígena agênero da Associação Wyka Kwara. Fundador do blog Supereficiente Mental. Pesquisador convidado no Grupo de Estudos, coordenado pela Profa. Dra. Lucia Santaella na Cátedra Oscar Sala do IEA-USP.
Esse post foi publicado em Comorbidades. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s