Relato Pessoal: André Coneglian

André Coneglian

O autoconhecimento é uma jornada fascinante para quem a iniciou, pois conseguiu desbravar os primeiros trechos dessa caminhada, dos quais muitos trechos são assustadores e paralisantes.

É muito cômodo e confortável permanecer onde se está, ainda que este lugar seja de angústia e sofrimento, porém, para a pessoa o pensamento é: são angústias e sofrimentos conhecidos, por isso são passíveis de serem suportados.

Todavia, quando o lugar de angústia e sofrimento não é mais suportável, é preciso dar um passo adiante. Um passo de coragem para o autoconhecimento. Caso contrário, a pessoa pode acabar com o sofrimento tirando a própria vida.

A superdotação é uma diferença marcante no ser humano, faz parte do leque da diversidade do ser humano e pode se manifestar nas mais variadas configurações, considerando a idiossincrasia de cada pessoa: personalidade, família, educação, cultura e outras influências.

Nesse sentido, a superdotação sabida e conhecida de uma pessoa, seja ela criança, jovem, adulto ou idoso é diferente da superdotação nas pessoas que não são conscientes que a sua diferença – pois se sentem estranhos – tem um nome!

Proponho-me, novamente e quantas vezes forem necessárias – para mim mesmo, como catarse, também para favorecer a reflexão em outras pessoas e famílias, relatar o meu processo de autoconhecimento e como nos tornamos, Paula, Lorenzo, Benjamin e eu, sabedores da nossa superdotação.

Primeiro: superdotação não é glamour!

Segundo: superdotação não é glamour!

Terceiro: superdotação não é glamour!

Talvez, no imaginário das pessoas ser superdotado deve ser “um sonho de consumo”, uma benção, uma dádiva, um privilégio, uma vantagem. Assim como em outras diferenças no ser humano, há sim vantagens e desvantagens, prós e contras.

Permanecendo no advérbio de dúvida, talvez, num mundo idealizado por pessoas superdotadas, seja maravilhoso todos os dias ser uma pessoa superdotada, a ponto de não precisar lembrar a esta sociedade perfeita que somos superdotados.

O mundo tal como ele é não é favorável às diferenças. Constantemente, a dinâmica da vida real, dos sistemas que regem a vida cotidiana, perseguem uma padronização, uma massificação, tentam grudar nas pessoas rótulos que sejam “aceitáveis”.

A superdotação na nossa vida familiar chegou no ano de 2015, quando Lorenzo tinha quatro anos de idade. Chegou de um modo assustador: uma gastrite nervosa e princípio de depressão na criança de quatro anos. Investigadas, medicadas e tratadas as questões de saúde física e psicológica, iniciamos o processo de investigação: porque uma criança tão pequena sofre com questões que não são para sua idade?

Depois de oito sessões com uma psicóloga e uma psicopedagoga, o relatório que nos foi entregue apontava indicadores de altas habilidades/superdotação, porém, pela idade do Lorenzo estava aberta a questão. Era preciso esperar a idade de seis anos, repetir alguns testes e fazer outros novos, por exemplo, o WISC-IV.

Quando os testes foram finalizados, aos seis anos de idade, a diferença do Lorenzo recebeu um nome: altas habilidades/superdotação, perfil acadêmico-intelectual. Desde então, a nossa busca como pais foi para que a vida escolar, principalmente, não fosse feita somente de frustrações: já sei ler e escrever, já sei os números e as principais operações aritméticas, gosto de palavras cruzadas, já leio livros mais complexos, interesso-me por planetas e elementos químicos.

Lembram-se dos rótulos e padrões que a vida e seus sistemas tentam nos grudar o tempo todo? Na biblioteca da escola, por exemplo, eram disponibilizados para o 1º Ano do Ensino Fundamental, livros “apropriados” para crianças em fase inicial de alfabetização. Os alunos não tinham o direito de emprestar outros livros, que não aqueles separados para esse fim. E estou citando somente uma “simples” questão de outras mil que tivemos que enfrentar.

Deixarei de escrever sobre a superdotação do Lorenzo a partir daqui, porém, por conta dele, que fomos conduzidos por caminhos que nos levaram ao Ensino Público da Rede Municipal da Educação de Londrina, ao Atendimento Educacional Especializado, específico para alunos com Altas Habilidades/Superdotação, à Associação Londrinense de incentivo ao Talento e Altas Habilidades/Superdotação, a qual tive o privilégio de ser presidente na gestão de 2017/2019 e acesso a tantas famílias e histórias relacionadas à AHSD bem diferentes da nossa história – pois cada família é ímpar, cada sujeito é único.

No ano de 2018, minha esposa conheceu Patrícia Neumann, a palestrante se apresentou como superdotada, condição descoberta na vida adulta e ministrou um minicurso acerca da “sobre-excitabilidade emocional”. Foi o suficiente para Paula me apresentar à Patrícia e menos de um mês depois, estava eu iniciando e finalizando o processo de avaliação psicoeducacional sobre minha superdotação.

Na época eu estava com 37 anos de idade. Sim, foi uma mudança enorme na percepção de vida, minha relação com o mundo, o conhecimento. Eu sabia porque tinha sido um peixe fora d’água de praticamente todos os ambientes que frequentara. Altas Habilidades/Superdotação, perfil acadêmico-intelectual.

Paula seguiu um percurso diferente. Sabia da sua condição diferenciada a vida inteira, porém, precisou fazer terapia para compreender sua desestabilidade psicológica e criar coragem para o processo de avaliação da sua superdotação. Ao final do processo, apontava um perfil totalmente diferente da superdotação do Lorenzo e minha. Paula é superdotada de perfil criativo-produtiva e nos Esportes, finalizou a avaliação em dezembro de 2019, quase às vésperas de Natal.

Por fim e não é aqui que eu termino esse relato, a superdotação do nosso caçula, o Benjamin. Cada história é muito singular. Benjamin, segundo filho, igualmente desejado e planejado, na gestação do sexto para o sétimo mês, Paula teve toxoplasmose. A finalização da gravidez, o parto e as primeiras semanas foram sofridas para todos nós, especialmente para o bebê. Muitos exames, internações, “n” protocolos para descartar as sequelas da toxoplasmose gestacional.

Ainda que todos os exames fossem favoráveis à condição de saúde, Benjamin foi considerado bebê com toxoplasmose congênita até os dois anos de idade, quando recebeu alta do acompanhamento clínico-médico. Nosso olhar para ele era outro, um olhar diferente quase oposto ao que direcionávamos para Lorenzo, de super-proteção.

Benjamin cresceu com um irmão 3 anos e meio mais velho, irmão cheio de atividades intensas, muitos compromissos escolares e extraescolares, enquanto que os compromissos do Benjamin era com exames e hospitais. Entretanto, quando nos voltamos para aqueles dias, é possível dizer que Benjamin enfrentava sua questão “particular” de saúde com uma maturidade fantástica para uma criança da sua idade. Ele não fugia dos “jalecos brancos”, não gritava com as agulhas e injeções.

A Educação Infantil do Benjamin foi pautada pela dinâmica escolar do Lorenzo. O primeiro ano de berçário foi na mesma escola que Lorenzo estudava há quatro anos. Quando mudamos de bairro e, portanto, de escola, escolhemos uma escola para o perfil do Lorenzo e que, obviamente, também atendia o perfil do Benjamin.

Ficaram nessa escola somente um semestre. Precisamos tirar Lorenzo de forma abrupta – pois havia quebrado a perna, estava cadeirante, a escola não tinha acessibilidade arquitetônica, muito menos boa vontade de promover nenhuma mudança atitudinal para acolher a condição temporária dele. Assim, tiramos ambos dessa escola – que foi processada e obrigada pelo Ministério Público para se adequar às normas mínimas de acessibilidade.

No dia seguinte, Lorenzo estava matriculado no 2º Ano do Ensino Fundamental na escola pública. Benjamin ficou sem escola, sem professora, sem amigos até o início do próximo ano letivo. E foi nessa escola de educação infantil, no ano de 2018, com uma excelente professora, que Benjamin passou a demonstrar seu potencial. Na escola, ele era a referência dos demais colegas: “O Benjamin sabe!” e esperavam suas manifestações. Em casa, ele disfarçava, não respondia nossos questionamentos. Na escola contava até sessenta, em casa até vinte. Era como se não pudesse saber muito, pois alguém já tinha esse lugar!

Benjamin estudou 2019 numa escola e neste ano está em outra escola. Matriculamos Lorenzo em outra escola no final de 2018 e ficou nessa escola o ano letivo de 2019 inteiro, onde passou pelo processo de aceleração no mês de abril, do 4o. para o 5o. Ano do Ensino Fundamental, pois estava frustrado novamente com a escola. No final de 2019 prestou o processo seletivo para o II Colégio da Polícia Militar de Londrina, com mais de 1000 candidatos para 90 vagas e conquistou a primeira vaga, das 45 direcionadas à população em geral (as outras 45 são destinadas para filhos de militares), assim, com nove anos de idade, iniciou o 6o. Ano do Ensino Fundamental.

Neste ano (2020), quando Benjamin completou seis anos de idade (14/06/2020), iniciamos o processo de avaliação sobre AHSD. Resultado: Benjamin é superdotado, perfil misto, produtivo-criativo e acadêmico-intelectual. Um perfil mais “livre”, de necessidade criativa, latente e permanente. No caso específico dele, mistura de tintas, substâncias, elementos, cortar, colar, juntar.

Aqui, é importante parar numa reflexão extremamente salutar. No que diz respeito exclusivamente a crianças com AHSD, há pesquisas e artigos que relatam “a síndrome do segundo filho”, em que pese a AHSD do primogênito na dinâmica familiar e os pais não estão atentos aos indicadores da AHSD do segundo, terceiro filhos. Pois podem ser AHSD com outro perfil.

Quero expandir a reflexão para as famílias que possuem qualquer diferença, especialmente, crianças e jovens com necessidades especiais, sejam elas quais forem. É possível que os adultos, preocupados com essa criança e o ritmo diferenciado que as necessidades dela podem demandar, se esqueçam de dedicar tempo de qualidade com os demais filhos ou outros membros da família. E não o fazem conscientemente!

Haja vista nossa dinâmica com foco nas atividades do Lorenzo e, também, nosso foco com as questões da toxoplasmose congênita do Benjamin. Há pesquisas e artigos sobre a dinâmica de famílias com crianças com deficiências ou outras necessidades com foco nos irmãos que não possuem deficiência. Uma busca rápida no Google ou outros buscadores listará alguns artigos.

Dentre tantas referências, gosto de citar um filme, em que a irmã mais nova se manifesta em diálogos com a mãe e com a própria irmã surdacega. O filme é “Black” (2005), de Bollywood, produção indiana. O filme é baseado na história da Helen Keller, surdacega norte-americana e sua tutora Anne Sullivan (O Milagre de Anne Sullivan, filme de 1962).

Para concluir esse texto, respondo um questionamento feito num grupo de whatsapp de adultos superdotados. A pergunta foi se nós adultos superdotados com filhos contamos ou não sobre a nossa condição de superdotação. No nosso caso particular, foi a superdotação do nosso filho mais velho que nos conduziu todos a nossa própria superdotação e sempre fomos totalmente transparentes.

Os filhos têm direito de saber que seus pais não são “normais” (típicos). Os pais tem o dever de promover o caminho do autoconhecimento aos filhos. Conheci uma mãe, cujo filho tem AHSD e decidiu, juntamente com a psicóloga do filho, não contar a ele sobre sua condição. Na época ele devia ter nove ou dez anos de idade. Eu rebati: você não tem o direito de negar essa informação dele. A mãe: tenho sim, sou a mãe dele! Não quero que ele seja estigmatizado na escola e na família. Eu ainda tentei: ele já sabe que é diferente, precisa saber o nome da diferença dele. Acredito que até hoje, esse garoto não saiba da sua condição de superdotado.

É preciso tratar com naturalidade aquilo que é natural nas pessoas. Ser superdotado é natural para quem é superdotado. Não é normal ou natural para a sociedade, que insiste em padronizar, massificar, rotular. Para desconstruirmos essa insistente tentativa, precisamos tratar com naturalidade em nosso ambiente familiar, em nossos meios sociais para que as pessoas, no mínimo, respeitem nosso modo de ser e viver no mundo!

E você, que me conta sobre tudo isso? Sua experiência?

Sobre Filipe Russo

CEO da SagaPro, A Edtech do Bem-Estar Escolar, startup incubada na incubadora Cietec IPEN-USP. Autor dos livros premiados Caro Jovem Adulto e Asfixia, assim como vencedor do concurso “O Olhar em Tempos de Quarentena” e dos prêmios de Excelência Acadêmica nas disciplinas Inteligência Artificial na Educação e Temas em Psicologia: Contribuições para Computação Aplicada à Educação. Licenciado em Matemática pelo IME-USP, pós-graduando em Computação Aplicada à Educação pelo ICMC-USP. Realizou pesquisas em Análise Real, Bioinformática e Ensino de Matemática. Tem passagem pelo Instituto Max Planck de Fisiologia Molecular Vegetal em Golm e pela Universidade Técnica de Munique, ambos na Alemanha. Indígena agênero da Associação Wyka Kwara. Fundador do blog Supereficiente Mental. Pesquisador convidado no Grupo de Estudos, coordenado pela Profa. Dra. Lucia Santaella na Cátedra Oscar Sala do IEA-USP.
Esse post foi publicado em Relato Pessoal e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s