Comorbidades: Efeito Rebote

Dispender mais Energia do que se consegue Gerar

Dispender mais Energia do que se consegue Gerar

O Efeito Rebote se caracteriza pela volta ou ocorrência de uma ação inesperada e oposta ao estímulo que a originou. Não raro após um Hiperfoco ou um pico de adrenalina a energia física e psíquica do indivíduo cai para valores inferiores ao seu normal, desencadeando o quadro debilitante retratado neste ensaio, os sintomas depressivos, degenerativos e persistentes demoram de dias, semanas, a até meses para se dissiparem por completo e o afligido recuperar enfim a sua produtividade original. Ou seja, com tamanho prejuízo funcional em potencial se faz necessário saber identificar os indícios de uma crise para quando não evitá-la, no mínimo prontificar um controle de dano a se aplicar em momento oportuno.

Yay! Pesquei um tubarão. Ops... ele me engoliu!

Yay! Pesquei um tubarão. Ops… ele me engoliu!

O Efeito Rebote ataca após uma reunião decisiva, uma competição acirrada, uma prova de vestibular, um surto de criatividade, um Hiperfoco, entre outras situações de alto estímulo e excitação. Ao invés do indivíduo passar por um clássico processo de cooldown, onde recarrega em algumas horas ou dias a energia dispendida e parte pra outra, aqui ocorre um quadro depressivo e debilitante de difícil regeneração, pois se gerou e dispendeu energia em ritmos anormais e o sistema já não dispõe de recursos emergenciais para re-equilibrar sua produção e manutenção necessárias às atividades do dia-a-dia.

Sobre Filipe Russo

Autore dos livros premiados “Caro Jovem Adulto” e “Asfixia”, assim como vencedore do concurso “O Olhar em Tempos de Quarentena” e de prêmios de excelência acadêmica em Inteligência Artificial, Psicologia, Gamificação, Empatia e Computação Afetiva, nesta última disciplina também recebeu o reconhecimento de melhor projeto. Licenciade em Matemática pelo IME-USP, pós-graduande em Computação Aplicada à Educação pelo ICMC-USP. Indígena agênere da Associação Wyka Kwara. Fundadore do blog Supereficiente Mental. Pesquisadore nas cátedras Oscar Sala e Otavio Frias Filho do IEA-USP, sob a coordenação de Lucia Santaella e Muniz Sodré, respectivamente.
Esse post foi publicado em Comorbidades. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s