Exames: Negativo

Rejeição

Rejeição

Ser diagnosticado como superdotado o faz superdotado? Não. Ser diagnosticado como não superdotado o faz não superdotado? Não. Entretanto deve-se respeitar o valor das avaliações, procure sempre uma segunda opinião e saiba que nada pode legitimá-lo ou deslegitimá-lo, muito menos uma opinião profissional ou um atestado disso ou daquilo. Os instrumentos e seus utilizadores todos apresentam falhas e um grau maior ou menor de acurácia quanto a um ou outro critério discriminante arbitrário, mas para todos os efeitos não nos deteremos neste momento à validez ou invalidez e à assertividade ou inassertividade dos métodos avaliativos vigentes. Mas então por que buscar um diagnóstico? E o que fazer em caso de negatividade?

Solidão

Solidão

Primeiro, alguns e digo a maioria, necessitam de comprovação experimental externa em termos mais ou menos rígidos para dar estruturação e conforto emocional às suas premissas pessoais. Agora, digamos que recebemos um não, você não pertence a uma minoria discriminada pela neurodiversidade e cheia de Comorbidades, SuperSensações, entre outras especificidades intrínsecas à classe cognitiva em questão. Você chegou até aqui devido a uma busca pessoal, para onde ir depende apenas de um capricho seu e não, não há problema algum em se questionar a própria identidade cognitiva, agora você já pode partir para outra autodescoberta e bem, talvez a suas questões não sejam tão distantes de nós ou de si.

Sobre Filipe Russo

Autore dos livros premiados “Caro Jovem Adulto” e “Asfixia”, assim como vencedore do concurso “O Olhar em Tempos de Quarentena” e de prêmios de excelência acadêmica em Inteligência Artificial, Psicologia, Gamificação, Empatia e Computação Afetiva, nesta última disciplina também recebeu o reconhecimento de melhor projeto. Licenciade em Matemática pelo IME-USP, pós-graduande em Computação Aplicada à Educação pelo ICMC-USP. Indígena agênere da Associação Wyka Kwara. Fundadore do blog Supereficiente Mental. Pesquisadore nas cátedras Oscar Sala e Otavio Frias Filho do IEA-USP, sob a coordenação de Lucia Santaella e Muniz Sodré, respectivamente.
Esse post foi publicado em Exames e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para Exames: Negativo

  1. Anon disse:

    Os diagnósticos também podem deixar a pessoa estereotipada.Como sd eu tenho que ser y x e z.Eu fiquei meio assim e ainda sou. As vezes eu acho que isso de passar sem estudar foi para coloquei na cabeça que se eu ñ fizer isso ñ sou sd

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s