Entrevista: Marcos

Marcos preferiu não se identificar com nome completo nem foto de rosto por razões pessoais

Marcos preferiu não se identificar com nome completo nem foto de rosto por razões pessoais

Supereficiente Mental: Ninguém nasce com consciência do conceito de superdotação, contextualize para nós como você se familiarizou com o contexto neurodiverso.

Marcos: Desde criança eu me destaquei entre todos os demais da sala de aula. Nunca havia pergunta à qual eu não oferecesse resposta no ato ou caso não pudesse, sempre busquei pela resposta. A dúvida me incomoda, quero responder a cada uma. Muitas coisas me impediram de me enxergar como superdotado, mas considero que acabei inserindo em minha vida muita informação. Através de material de leitura, da faculdade, documentários. Parece arrogante de minha parte posto nestes termos, mas sou movido à racionalidade. Se há algo que eu necessite me aprofundar, é exatamente o que eu faço.

SM: Você tem um filho superdotado. Em quais áreas as altas habilidades dele têm sido expressas?

Marcos: Outro dia ele apresentou aos seus colegas de escola Stephen Hawking. Muito surpreso veio me indagar do porquê de seus colegas não o conhecerem. Posso dizer que venera como eu os mistérios do cosmos. Como eu, é fã de Carl Seagan, quer ser astrônomo pela USP. Além disso, ele é apaixonado por história. Principalmente história europeia. Lê muito sobre Cartago, uma das suas maiores paixões.

SM: Já considerou fazer uso de aconselhamento psicopedagógico? E para o seu filho? Comente seu posicionamento.

Marcos: Já busquei algumas alternativas que me tangenciaram para esta autodescoberta. Acredito que eu e minha família somos felizes por estabelecer um diálogo e isso dispensa tais alternativas.

SM: Apresentaste teu filho a alguma iniciativa de apoio aos alto habilidosos? Em caso positivo fale um pouco mais sobre essa experiência, em caso negativo por que não?!

Marcos: Não o apresentei. Contatei uma Associação, mas a idade dele impossibilita quaisquer auxílios psico-pedagógicos. Segundo tal associação, após os doze, que é idade do meu filho, não há como auxiliar no direcionamento dos estudos, mas tão somente atestar sua habilidade. E somente isso não é de meu interesse.

SM: Quais cursos universitários você cursou e o que lhe atraiu em cada um deles?

Marcos: Fiz dois anos de letras, abandonei. Atualmente faço engenharia. Não fui muito incentivado por meus pais, ou mesmo pelo ambiente em que vivi por anos a enveredar pelo caminho acadêmico. Acredito que por isso não sou formado. Muito me atraiu no curso de letras o conhecimento etimológico das palavras. Como se originavam, seus radicais originados em grego ou latim. Lá tive aulas de latim. Sempre fui fascinado em línguas estrangeiras. Desde os doze eu estudo por conta o inglês. Hoje, não posso me dizer fluente em inglês porque nunca pude sair do país. Mas continuo aprendendo através de aplicativos. Além do inglês sei um pouco de francês, italiano e espanhol. A engenharia acabei escolhendo, porque através dos livros, fiquei fascinado pelo modo como se aplica física e matemática para se descobrir o universo. Por exemplo, ao assistir o seriado “Cosmos” de Carl Seagan, muito me impressionou a teoria de Kepler que instaura uma relação matemática entre a distância dos planetas ao sol e o seu respectivo período de órbita, que mantêm uma proporção única para todos os planetas. Isso é fascinante. Escolhi um curso onde eu poderia me aprofundar tanto em física como em matemática. Mas ainda desejo fazer mais, quero continuar estudando.

SM: Quais foram suas dificuldades adaptativas no contexto acadêmico? Que atendimento ou acomodações você gostaria que entrassem em vigor a fim de tornar o curso superior tolerável ou até mesmo prazeroso?

Marcos: Gostaria que o curso se iniciasse pelo fim. Parece besteira, mas faz sentido quando você vê alunos de engenharia começando a testar as resistências de colunas lá no final do curso. É como se você só pudesse dirigir no último dia do curso pra conseguir uma habilitação.

SM: Quais mudanças estruturais você gostaria de ver efetivadas num futuro próximo visando o melhor aproveitamento das instituições pelo seu filho superdotado? De que modo podemos enquanto indivíduos contribuir para a integração neurodiversa no substrato social?

Marcos: Eu acredito num mundo onde nós poderemos enxergar que nosso maior trunfo é a tecnologia. Ainda que existam outras necessidades humanas, como a psicológica e a médica, por exemplo, a tecnologia nos impulsiona ao futuro inegavelmente de maneira a obtermos sempre o melhor aproveitamento de nossos meios, e isso inclui todas as demais áreas mencionadas. Creio num futuro onde as escolas sejam tão somente voltadas ao desenvolvimento tecnológico.

SM: Algum lema motivacional?

Marcos: “Se eu pude ver além, é porque estive sobre os ombros de gigantes”

SM: Algum recado pra galera?

Marcos: Devemos abandonar a industrialização de pensamento. As pessoas estão carentes de identidade. Por isso tentam fazer de tudo para parecerem diferentes. Por isso somos hoje obrigados a suportar coisas que antes não eram admitidas, como, por exemplo, essa exacerbada exposição quase pornográfica de mulheres na TV. Há quase 20 anos eu não vejo Silvio Santos, Faustão, Gugu ou quaisquer programações abertas. Simplesmente vou no youtube e busco por documentários. De preferência Carl Seagan e seu inestimável “Cosmos” que é uma herança para a humanidade tão valiosa (no meu conceito, ao menos) quanto as “Quatro Estações” de Vivaldi. As informações estão no ar, quase são infinitas. Então, por que todos só falam das mesmas coisas?

Anúncios

Sobre Filipe Russo

Filipe Albuquerque Russo nasceu em 22 de Agosto de 1990 em São Paulo, capital e foi criado em Manaus, Amazonas. Aos 16 retornou a sua cidade natal onde reside atualmente. Caro Jovem Adulto, seu primeiro romance estabeleceu em 2012 a estréia tripla de Filipe Russo no cenário artístico brasileiro (tipográfica com Limite Circular, fonte original exclusivamente manufaturada para a obra; fotográfica com Iluminado Expandido, capa original do livro e enfim a obra literária propriamente dita).
Esse post foi publicado em Entrevista. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s