Relato Pessoal: Luciano Brígida

Falar sobre mim sempre foi difícil demais. Acho mais fácil escrever devaneios sob a condição humana no universo do que falar sobre quem eu sou. Talvez por conta disso eu tenha adotado desde cedo como lema pessoal a frase “Eu sou mil possíveis em mim, portanto não posso me resignar a querer ser apenas um só” de Roger Bastide. Então, deixarei que a história se revele.

Quem primeiro me levantou a hipótese de superdotação foi minha esposa. Ela é professora e convive com alunos de condições diversas. E, além disso, o fato dela estar entre as pessoas mais importantes da minha vida me fez considerar essa hipótese como verdadeira. Na época eu sofria demais com insônia – e ainda sofro – eu deitava mas não sentia sono algum, pois na minha cabeça estavam passando ideias sobre jogos, músicas, poemas, desenhos, contos… Isso estava atrapalhando minha saúde e até a rotina de casa.

Um dia, numa conversa no intervalo de almoço do meu trabalho, com o ar de Brasília bastante seco e céu sem nuvens, ela me perguntou se eu já havia sido diagnosticado como AH/SD. Eu nunca olhara para mim desse jeito. Sempre repeti a mim mesmo que eu não era diferente dos outros, que todos tínhamos a mesma capacidade de aprendizagem e cognição. Mas os fatores que ela foi me apontando começaram a fazer sentido: auto-didata em quase tudo, correlacionar ideias incomuns, fixação em detalhes que passam despercebidos por muitos etc.

Procurei sessões de hipnoterapia. Eu só queria dormir direito e me sentir em paz. Eu não sabia se eu seria suscetível a hipnose ou não, mas arrisquei. A experiência foi interessante, porém ainda que eu conseguisse entrar no transe com facilidade eu também não conseguia reter o transe e me distraia facilmente com ideias aleatorias. Lembro de uma sessão que fiquei querendo compor um solo por sobre uma outra música que eu escutava ao fundo do consultório. Anos mais tarde a terapeuta disse que eu fui um dos pacientes mais difíceis. Mas não desisti da busca, sabia que na psicoterapia eu encontraria o caminho para melhor lidar comigo mesmo.

A busca continuou. Eu tinha que acabar com essa insônia e tentar ter um ciclo circadiano normal. Eu já convivia com essa falta de sono desde a adolescência. Perdi a conta de quantas alvoradas observei da janela do meu quarto no nono andar de um edifício em Belém do Pará. E o que falar das noites que passei sozinho, quando mudei para Brasília, no meu apartamento tocando violão ou escrevendo por várias noites seguidas? Devo ter perturbado demais meus vizinhos. Mas o preço foi alto. Dormir apenas 4h por semana não é nada divertido. Desenvolvi inflamações musculares sérias que me impediram de me movimentar direito. Mas um músculo dolorido não me define e ainda consegui desenvolver um jogo mobile nesse período. Uma vez tratadas as inflamações, procurei exames de polissonografia e minhas hipóteses se confirmaram. Depois de uma noite dormindo na clínica, os aparelhos detectaram que eu não tinha o sono reparador, que nas poucas horas que adormeci já caí direto no sono mais profundo. Tratar com anti-depressivos não deu certo. O que melhor funcionou para mim foi reposição hormonal de melatonina. E mais uma vez recebi recomendação de psicoterapia.

Sem saber para onde correr comecei a procurar por grupos online que tivessem dores parecidas. Assim, meio por acaso, encontrei uma comunidade e fui convidado pra um grupo de whatsapp bastante acolhedor e onde pude me sentir em casa. Foi aí que recebi uma boa recomendação de uma terapeuta que tem me acompanhado desde então e me ajudado nessa caminhada de auto-conhecimento.

Sete meses após acompanhamento psicológico, reconheci que realmente me faltava a habilidade de focar mais em mim mesmo, de aceitar minhas potencialidades e explorá-las. Hoje, sigo aprendendo a não me limitar mais pelas expectativas alheias; buscando superar processos de auto-sabotagem; e de conhecer mais sobre um Eu que ainda me era misterioso.

Sobre Filipe Russo

CEO da SagaPro, A Edtech do Bem-Estar Escolar, startup incubada no Cietec. Autor dos livros premiados Caro Jovem Adulto e Asfixia, assim como vencedor do concurso “O Olhar em Tempos de Quarentena” e dos prêmios de Excelência Acadêmica nas disciplinas Inteligência Artificial na Educação e Temas em Psicologia: Contribuições para Computação Aplicada à Educação. Licenciado em Matemática pelo IME-USP, pós-graduando em Computação Aplicada à Educação pelo ICMC-USP. Realizou pesquisas em Análise Real, Bioinformática e Ensino de Matemática. Tem passagem pelo Instituto Max Planck de Fisiologia Molecular Vegetal em Golm e pela Universidade Técnica de Munique, ambos na Alemanha. Indígena agênero da Associação Wyka Kwara. Fundador do blog Supereficiente Mental. Pesquisador convidado no Grupo de Estudos, coordenado pela Profa. Dra. Lucia Santaella na Cátedra Oscar Sala do IEA-USP.
Esse post foi publicado em Relato Pessoal e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s