Comorbidades: Paradoxo da Escolha com Prejuízo Funcional

machina0022
Fazer, não fazer, refazer ou desfazer? Difícil a impossível dizer; tendemos ora a procrastinar, ora a nos atarefar com atividades em demasia mundanas. Quando então se encontrará algo que dialogue como nosso íntimo reivindicando enfim toda nossa atenção e energia acumuladas? Eu não sei, mas vez ou outra por algum tempo me empenho mais intensamente em algo. O empenhar-se intensamente em algo vem até que com uma freqüência semanal, mas agora começar um projeto longo e durante vários meses trabalhar quase diariamente em pequeninas parcelas que combinadas formam algo especial, só fiz tanto poucas vezes.
2010.07.14
Quando não se vê o mundo com uma pequenez bidimensional comum aos neurotípicos sabe-se que as vias de ação se enraízam até profundezas indevassáveis, já os talentos entoam cada um seu próprio chamado apocalíptico nos coagindo a selecioná-lo em detrimento dos demais. Mas não, não conseguimos escolher e quando o fazemos, sempre arde ao fundo um ressentimento e uma dúvida quanto à melhor opção, por que não todas? Pois não há tempo, energia, nem dinheiro o suficiente entre outros recursos menos renováveis.
aea2952fe78009fd9837b801a8929c33
Faz-se necessário despertar do torpor pertinente ao paradoxo da escolha e saiba: preparar-se só termina em um salto no escuro e não, não se sabe contra o que se esbarrará ou aonde se chegará, mas apenas a ousadia e a valentia podem nos oferecer a novidade a qual almejamos. Só quando então se tiver em mãos o mérito tu verás teu rosto refletido nele e poderá dizer a nós, teus colegas de classe, se no reflexo sorris ou choras, de tristeza ou alegria, de loucura ou intensidade.

Sobre Filipe Russo

CEO da SagaPro, A Edtech do Bem-Estar Escolar, startup incubada no Cietec. Autor dos livros premiados Caro Jovem Adulto e Asfixia, assim como vencedor do concurso “O Olhar em Tempos de Quarentena” e dos prêmios de Excelência Acadêmica nas disciplinas Inteligência Artificial na Educação e Temas em Psicologia: Contribuições para Computação Aplicada à Educação. Licenciado em Matemática pelo IME-USP, pós-graduando em Computação Aplicada à Educação pelo ICMC-USP. Realizou pesquisas em Análise Real, Bioinformática e Ensino de Matemática. Tem passagem pelo Instituto Max Planck de Fisiologia Molecular Vegetal em Golm e pela Universidade Técnica de Munique, ambos na Alemanha. Indígena agênero da Associação Wyka Kwara. Fundador do blog Supereficiente Mental. Pesquisador convidado no Grupo de Estudos, coordenado pela Profa. Dra. Lucia Santaella na Cátedra Oscar Sala do IEA-USP.
Esse post foi publicado em Comorbidades. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Comorbidades: Paradoxo da Escolha com Prejuízo Funcional

  1. Tatiana disse:

    How to fix that?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s