Descaso: Ensino Superior

Exige-se Novos Rumos

Exige-se Novos Rumos

A solução de praxe para a problemática educacional do superdotado infanto-juvenil costumava resumir-se à aceleração de estudos, a qual sincronizava o nível intelectual do estudante com o conteúdo lecionado ao passo que aumenta a assincronia do mesmo para com seus colegas de classe. Tal acomodação não significa necessariamente a melhor opção em todos os casos e há de se criar alternativas de engajamento e compreensão do indivíduo nestes ambientes educacionais, o superdotado adulto por exemplo não almeja por definição a mesma aceleração de estudo porém a nível de ensino superior, apesar do dever de se apresentar a mesma oportunidade tanto a este quanto a sua versão mirim.

Abismos e mais abismos

Abismos e mais abismos

Pouco a nada se fala em um leque de acomodações a se disponibilizar para os superdotados e neurodiversos, se crê que apenas cumprir as exigências legais pragmáticas quando estas são exigidas basta como educação inclusiva, integração social e desenvolvimento pessoal e intelectual, mas não. Não sejamos ingênuos, muito menos compactuemos com o mínimo do mínimo a que se referem as leis; falta tato e bom senso, competência e senso crítico para trabalhar de modo colaborativo e comunitário visando suprir as necessidades individuais e neurodiversas apresentadas, ou melhor, escamoteadas pela padronização, normalização e normatização da sociedade. Tendo em vista tamanho descaso elaborarei uma série intitulada Acomodações para melhor tratar das opções disponíveis assim como propor novas interações.

Sobre Filipe Russo

CEO da SagaPro, A Edtech do Bem-Estar Escolar, startup incubada no Cietec. Autor dos livros premiados Caro Jovem Adulto e Asfixia, assim como vencedor do concurso “O Olhar em Tempos de Quarentena” e dos prêmios de Excelência Acadêmica nas disciplinas Inteligência Artificial na Educação e Temas em Psicologia: Contribuições para Computação Aplicada à Educação. Licenciado em Matemática pelo IME-USP, pós-graduando em Computação Aplicada à Educação pelo ICMC-USP. Realizou pesquisas em Análise Real, Bioinformática e Ensino de Matemática. Tem passagem pelo Instituto Max Planck de Fisiologia Molecular Vegetal em Golm e pela Universidade Técnica de Munique, ambos na Alemanha. Indígena agênero da Associação Wyka Kwara. Fundador do blog Supereficiente Mental. Pesquisador convidado no Grupo de Estudos, coordenado pela Profa. Dra. Lucia Santaella na Cátedra Oscar Sala do IEA-USP.
Esse post foi publicado em Descaso. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s