Descaso: Latifúndios Emocionais

Eu costumava me importar, mas agora eu tomo uma pílula pra isso

Eu costumava me importar, mas agora eu tomo uma pílula pra isso


Vivemos uma vida cada dia mais virtualizada em formigueiros tanto off quanto online, cada noite mais corrida com afazeres cumulativos e progressivamente esmagadores, a dita carreira seja acadêmica, seja profissional devora o nosso tempo e os instantes restantes roemos na esperança de algum apaziguamento pra toda essa ansiedade pós-moderna. Onde fica a valorização e o respeito à singularidade própria e alheia? Já viramos estatística, mais uma cela de excel. Quando poderemos nos dedicar ao desenvolvimento pessoal e à qualidade de vida? Ao fim dessa corrida desenfreada jaz a morte, esbarramos pelo percurso com diversas miragens a nos iludir com o dito sucesso social. Mas há algo muito mais fundamental para o bom convívio e o bem estar, se chama educação empática, a mesma não vigora em sua plenitude e em sua ausência se alastra a hostilização do outro e o autoritarismo.

Psicopatia

Psicopatia


Como solucionar então os trancos e barrancos? Comecemos pois com os gestos de civilidade: obrigado, com licença, por favor e o mais importante de todos: me desculpe. Quatro microfrases de importância salutar inestimável, pois todas servem de conexão emocional entre cidadãos e promovem a maior fluidez entre os mesmos reduzindo portanto o estresse e demais atritos desnecessários, proporcionam assim uma melhor dinâmica de grupo. Para quem estiver se sentido especialmente entusiasmado, solidário e generoso pode partir para os atos de cidadania, ou seja, praticar a bondade não apenas passivamente e sim com uma intenção expressa de melhorar o mundo. Há ainda o ativismo, uma vida dedicada a alguma causa social ou humanitária, tal ápice de dedicação à humanidade cumpre portanto função política seja através de arte, ciência ou comportamento benéfico a si e ao outro. Bem, em suma os latifúndios emocionais retroativamente alimentam a apatia generalizada e sem empatia somos todos psicopatas.

Sobre Filipe Russo

CEO da SagaPro, A Edtech do Bem-Estar Escolar, startup incubada no Cietec. Autor dos livros premiados Caro Jovem Adulto e Asfixia, assim como vencedor do concurso “O Olhar em Tempos de Quarentena” e dos prêmios de Excelência Acadêmica nas disciplinas Inteligência Artificial na Educação e Temas em Psicologia: Contribuições para Computação Aplicada à Educação. Licenciado em Matemática pelo IME-USP, pós-graduando em Computação Aplicada à Educação pelo ICMC-USP. Realizou pesquisas em Análise Real, Bioinformática e Ensino de Matemática. Tem passagem pelo Instituto Max Planck de Fisiologia Molecular Vegetal em Golm e pela Universidade Técnica de Munique, ambos na Alemanha. Indígena agênero da Associação Wyka Kwara. Fundador do blog Supereficiente Mental. Pesquisador convidado no Grupo de Estudos, coordenado pela Profa. Dra. Lucia Santaella na Cátedra Oscar Sala do IEA-USP.
Esse post foi publicado em Descaso e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s