Controvérsias: Alienação Discente, Docente & Empresarial

frustrações escolares e universitárias

frustrações escolares e universitárias


A classe docente ao lecionar para a classe discente participa de modo essencial na formação e produção de todas as demais classes trabalhistas que requerem um mínimo de conhecimento. Mas… o estudante se reconhece naquilo que estuda? Quantos já não se perguntaram quando na vida vão usar dado conhecimento necessário apenas a se passar no vestibular? Por que os alunos assimilam informação regurgitada e jamais participam efetivamente no processo de construção intelectual? Ao subestimar o alunado os professores incutem nos mesmos uma cultura de incapacidade aprendida. Eis a alienação discente, um amalgamado perverso de descaso e má fé, subprodutos do autoritarismo, da burrocracia e da academídia que invisibiliza o talento individual e inviabiliza oportunidades para a plena expressão do mesmo.

a recursividade dos ciclos viciosos

a recursividade dos ciclos viciosos


Até onde tais escolhas e atitudes debilitantes partiram de uma fonte genuína e bem informada? Não seriam os professores também vítimas de uma estrutura opressora que os infectou quando ainda jovens? Hoje engessados em formatações que por capilaridade se transmitem de geração a geração num comportamento hereditário de subrendimento, de castração, de negação compulsória da singularidade própria e alheia. Eis a alienação docente, onde o professor não se reconhece naquilo que leciona, não se realiza no desenvolvimento da turma e não se engaja em cultivar o talento ali latente.

perfil profissional

perfil profissional


Quem trabalha, trabalha para uma empresa. Quais funcionários se sentem orgulhosos e realizados por produzirem um produto valioso à sociedade a qual pertencem? Quais genuinamente respeitam e admiram seus patrões? Quais empresas contribuíram para a realização pessoal de seus trabalhadores? Quais fomentam uma cultura de acolhimento, diversidade e superação? Quem é você aos 20, 30, 40, 50 e 60? Um retângulo na planilha de excel? Um número atropelado pela margem de erro na estatística? Uma peça de reposição diária? Eis a alienação empresarial, os detentores dos meios de produção produzem funcionários cada vez mais, quando não desumanizados, no mínimo inumanizados, cada dia mais apáticos em suas solidões subestimadas, em amplos latifúndios emocionais.

Sobre Filipe Russo

CEO da SagaPro, A Edtech do Bem-Estar Escolar, startup incubada na incubadora Cietec IPEN-USP. Autore dos livros premiados Caro Jovem Adulto e Asfixia, assim como vencedore do concurso “O Olhar em Tempos de Quarentena” e de prêmios de excelência acadêmica em Inteligência Artificial, Psicologia, Gamificação e Empatia. Licenciade em Matemática pelo IME-USP, pós-graduande em Computação Aplicada à Educação pelo ICMC-USP. Indígena agênere da Associação Wyka Kwara. Fundadore do blog Supereficiente Mental. Pesquisadore nas cátedras Oscar Sala e Otavio Frias Filho do IEA-USP, sob a coordenação de Lucia Santaella e Muniz Sodré, respectivamente.
Esse post foi publicado em Controvérsias e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s