Exames: Errôneo

Misdiagnosis kills

A superdotação tende a ser escamoteada ora por exames errôneos, ora pela extrema parcialidade dos avaliadores que logo buscam enquadrar o indivíduo num quadro clínico mais tradicional e assim se desenvolve complexos processos de invisibilização e apagamento, onde encontrar enfim representatividade e protagonismo neurodiversos? Comecemos pois esmiuçando um pouco a problemática em questão, só então esclarecidos poderemos nos reconhecer ao espelho e nas calçadas rua a fora para em seguida reivindicar efetivamente nosso locus social.

tdah?

tdah?

A SuperInteligência do Superdotado e suas flexões (agitação física e psíquica de caráter distrativo/concentrador) diferem da sintomática referente ao transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), sendo este último uma condição neurodiversa à parte da primeira, há a possibilidade da sobreposição de ambas no mesmo indivíduo a configurar uma dupla excepcionalidade, entretanto tal caso não é via de regra. Confunde-se a prolixidade involuntária do segundo com a polissincronia do primeiro, enquanto um portador de tdah vive tropeçando em ramificações, o sobredotado tece, desfia e realinha seus interesses de modo premeditado com um propósito mais ou menos bem definido, quando não ao menos intuído, nesse sentido o mesmo não se vê lesado por um descontrole cognitivo, pois se descobre coordenador de processos metacognitivos.

Misdiagnosis of Bipolar Disorder

Misdiagnosis of Bipolar Disorder

A SuperSensibilidade do Superdotado e suas flexões (oscilações de humor, intensa reação emocional aos estímulos internos e externos, baixo limiar percepto-sensorial) diferem da sintomática referente ao transtorno bipolar, pois no último se observa um desequilíbrio conformacional dos humores e pensamentos devido a causas ora neuróticas, ora bioquímicas a acarretar prejuízo funcional e não diretamente correlatas a uma alta plasticidade e interconectividade do sistema ora percepto-sensorial, ora cognitivo-emocional. Ou seja, o supersensível não se desregula ilogicamente, sofre oscilações semelhantes, porém raro equivalentes as de um portador de transtorno bipolar. Há uma forte resistência socio-profissional em se aceitar um indivíduo neurodiverso em seu amplo modus operandi divergente e quando digo divergente, não me refiro a ‘ser do contra’, ‘ser do contra’ é uma mera reação passivo-agressiva de um indivíduo que não possui o instrumental ou a boa vontade de verbalizar com todas as letras seu posicionamento, um resmungo motor em outras palavras, divergente no âmbito deste blog se refere a qualquer via de ação e reação diferente, equivalente e alternativa quando comparada ao senso comum, este agir no mundo de modo tão singular quanto o que se é configura portanto a divergência neurodiversa. No comportamento e fala emergem flutuações da turbulência interior, que agora externadas compõem um fenômeno observável pelo transeunte e não mais exclusivamente íntimo.

to obsess or not to obsess?

to obsess or not to obsess?

O Perfeccionismo do Superdotado e suas flexões (completismo, cronometria, integração, essencialidade, microcontrole, finalidade e materialidade) diferem da sintomática referente ao transtorno obsessivo-compulsivo, o segundo configura uma patologia ou comportamento patológico de origem majoritariamente neurótica devido ao prejuízo funcional proporcionado, a preocupação aqui reside em obedecer a forma e não há um primor pelo conteúdo, não se observa devidamente um senso estético com sua virtuosidade e prazer correlatos, mas sim uma força patológica desviando o indivíduo do seu bem-estar. O perfeccionismo do superdotado pode surgir como um traço de sua personalidade ou como uma escolha de vida quando não associado a um prejuízo funcional regular, se carateriza sempre pela instrumentação do mesmo, emprega-se tal instrumento nas atividades as mais diversas e diárias com uma preferência maior quando se trata de solucionar deveres domésticos, acadêmicos, profissionais, artísticos ou científicos, há portanto uma predisposição espontânea do indivíduo em dispender intensa e extensamente seus recursos na elaboração e execução de um plano de trabalho, o projeto envolve tanto o sobredotado que o mesmo pode sair e entrar em hiperfoco durante a execução ou planejamento.

Anúncios

Sobre Filipe Russo

Filipe Albuquerque Russo nasceu em 22 de Agosto de 1990 em São Paulo, capital e foi criado em Manaus, Amazonas. Aos 16 retornou a sua cidade natal onde reside atualmente. Caro Jovem Adulto, seu primeiro romance estabeleceu em 2012 a estréia tripla de Filipe Russo no cenário artístico brasileiro (tipográfica com Limite Circular, fonte original exclusivamente manufaturada para a obra; fotográfica com Iluminado Expandido, capa original do livro e enfim a obra literária propriamente dita).
Esse post foi publicado em Exames. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Exames: Errôneo

  1. tiagochiaveri disse:

    Entendi, o superdotado é suprassumo, enquanto os outros possuem lesão. Tenho a impressão que estas são respostas um tanto quanto simplórias para uma realidade tão complexa, ainda mais tratando-se da mente humana. Se não compreendeu as potencialidades da individualidade humana e ainda enxerga as coisas como uma questão de hierarquia, como se as pessoas pudessem ser avaliadas por uma régua… Não compreendeu coisa alguma!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s